• As palavras que condenaram Donald Trump quando ele declarou guerra antes de reunir seu exército:

    Não há nada que o estabelecimento político não faça e não há mentira que eles não digam para se agarrarem ao seu prestígio e poder às expensas de você.  O estabelecimento de Washington, e as corporações financeiras e midiáticas que o financiam, existem apenas para uma finalidade: se protegerem e se enriquecerem.  Esta é uma encruzilhada na história de nossa civilização que determinará se “Nós o Povo” reconquistaremos o controle sobre o nosso governo.  O estabelecimento político que está tentando nos deter é o mesmo grupo responsável pelos nossos acordos comerciais desastrosos, imigração ilegal maciça e políticas econômicas e externas que têm sangrado nosso país até os ossos.  O estabelecimento político causou a destruição de nossas fábricas e de nossos empregos ao fugirem para o México, China e outros países em todo o mundo.  Ele é uma estrutura de poder global responsável pelas decisões econômicas que roubaram nossa classe trabalhadora, saquearam a riqueza do nosso país e puseram o dinheiro nos bolsos de um punhado de grandes corporações e entidades políticas.

TRUMP, AS DEFORMAÇÕES DA “DEMOCRACIA” ESTADUNIDENSE E DOS NOSSOS TUCANOS QUE A COPIARAM

  • Embora os 8 maiores bilionários do mundo, mais ricos que a metade mais pobre da humanidade (3,6 bilhões de pessoas), 6 dos quais sediados nos EUA, tenham se oposto tenazmente à eleição de Trump e tenham jogado toda a imprensa contra o mesmo, aconteceu o que todos os institutos de pesquisa diziam que não aconteceria: Trump foi eleito!

     Desde a eleição do presidente Roosevelt, que através de fortes ações governamentais, tirou o pais da maior crise da historia do capitalismo e que foi eleito por 4 mandatos seguidos, as elites estadunidenses não perdem o controle daquilo que muita gente lá e cá considera “a maior democracia do mundo”, e que muitos governos estadunidenses têm procurado impor a ferro e fogo pelo mundo afora.  Embora candidato pelo Partido Republicano, o principal responsável pelas invasões mais absurdas que os EUA perpetraram no mundo nos últimos tempos, Trump declarou enfaticamente o que a desestabilização do Iraque, Líbia e Síria e a consequente enchente de refugiados na Europa comprovaram: “o mundo era muito melhor quando Saddam e Kadafi estavam no poder”, desmoralizando urbi et orbi o mito das boas intervenções estadunidenses.

     Como foi possível que na “democracia” mais bem controlada do mundo, com 112 milhões de famílias, porém das quais apenas 58 delas respondem por metade do financiamento político, pôde isso ocorrer? Disse o grande presidente Roosevelt que “o problema dos Estados Unidos é que nenhum presidente pode ser eleito sem os grandes grupos econômicos, mas também não pode governar com eles”. O acidente Trump decorreu do fato de ser ele também um bilionário e uma cara muito conhecida pela televisão, não dependendo do financiamento dos grandes grupos econômicos, das multinacionais, para ser eleito presidente, e também porque a eleição para presidente, tanto lá como cá, comparada à do senado e câmara dos deputados, não é tão cara.

     Mas hoje, com o imenso poder que têm os grupos econômicos nos Estados Unidos, imensamente maior que aqui, poderá Trump governar? Tudo indica que está sendo preparado um golpe pós-eleição (o qual, lá como cá, chamarão de “impeachment”), para ganhar no tapetão o que não pôde ser ganho pelo voto. E, lá como cá, o golpe será parlamentar, midiático e judicial, o golpe midiático já tendo começado antes mesmo de sair o resultado da eleição. Só para ilustrar o golpe midiático, até mesmo o famoso economista e jornalista Paul Krugman, algumas semanas atrás escreveu um artigo intitulado “Declarar Trump presidente ilegítimo é ato de patriotismo”.  E jornais estadunidenses acusam Trump de querer aplicar nos EUA a política nacionalista de proteção da indústria do país, dos empregos nacionais, de exonerações tributárias, aplicada pela presidente Dilma no Brasil... Isso sem falar nas alegações do “dedo de Moscou”, que nós brasileiros já conhecemos de um outro golpe, e do fato de que o principal assessor de Trump (Bannon) haver se declarado um leninista que pretende destruir o “establishment”, pois segundo o mesmo, o capitalismo se degradou demais após o fim da guerra fria e a mancomunação das grandes empresas com o governo, o que lembra muito um país que nós conhecemos...

     Os grandes bilionários estadunidenses, há muitas décadas fornecendo propinas aos políticos para que eles garantissem os seus lucros e não o bem-estar do povo dos Estados Unidos, jamais contaram com semelhante resultado eleitoral. A degeneração política decorrente do sistema de propinas (que os tucanos copiaram aqui logo no início do governo FHC) parecia ser irreversível, a ponto de um grande democrata, o ex-presidente Carter, chegar a declarar: “Os Estados Unidos são hoje uma oligarquia onde a propinagem política sem limites está destruindo totalmente o sistema democrático“.

     Esta súbita eclosão de democracia e nacionalismo que, em não havendo golpe, poderá ser instituída nos Estados Unidos, poderá ter consequências surpreendentes em nossa América Latina. No México o candidato nacionalista e das esquerdas, Lopez Obrador, já aparece em todas as pesquisas como o preferido para as eleições de 2018, pois o “entreguismo” está saindo de moda. E o México está sendo compelido a se voltar para os esquecidos hermanos do sul, principalmente o Brasil, que, sob os governos de Lula e Dilma, ao invés de se lançar nos braços dos Estados Unidos, como queriam os norte-americanos e tucanos, preferiu diversificar, estreitar os laços com nossos hermanos, comerciar mais com a China, África, etc...

     Porém, havendo um golpe, será tranquilo como o daqui? Dificilmente. Entretanto, há uma semelhança entre o golpe de lá e o de cá. Dilma foi a primeira presidente do Brasil cujo governo começou a investigar a fundo a corrupção, e foi deposta por um parlamento corrupto sob a falsa acusação de corrupção... Trump foi o primeiro presidente dos Estados Unidos dos últimos 50 anos a defender o povo estadunidense contra os interesses das multinacionais financiadoras da mídia e do parlamento, e provavelmente será deposto sob a ainda mais absurda acusação de conluio com interesses estrangeiros (a Rússia no caso)...

“SER GOVERNADO PELO DINHEIRO ORGANIZADO É TÃO PERIGOSO COMO SER GOVERNADO PELO CRIME ORGANIZADO”
Franklin Delano Roosevelt

Núcleo do PT de Vila Buarque
R. Teodoro Baima 28 - s/17 - CEP 01220-040 - S.P.
Tel. 3257-5684  -  e-mail: contato@ptvilabuarque.com.br